Vertigem

8 junho, 2012

Por Alessandro Haiduke

Enquanto era preparada a cicuta, Sócrates estava aprendendo
uma ária com a flauta. “Para que lhe servirá?” perguntaram-lhe.
“Para aprender esta ária antes de morrer.”
Emile Cioran

 

Passo a passo, os pés deixavam marcas sobre a areia. As ondas, com seu movimento constante, insistiam em apagar os vestígios.
Akira caminhava lentamente, olhos em direção ao mar, indefinição entre o azul e o verde. O som das ondas ao contato com a areia, assobios e melodias em busca de amor, o vento retornando Leia o resto deste post »